Extinção

O sumiço dos grandes predadores dos mares


Os tubarões são seres marinhos que já existem há mais de 60 milhões de anos e que são extremamente importantes para a manutenção da cadeia alimentar e dos ecossistemas nos oceanos, visto que são responsáveis pelo equilíbrio da quantidade de peixes e de outros animais aquáticos que são a base de sustento de muitas pescarias e presas de outras espécies, tanto marinhas quanto terrestres.

Porém, devido à falta de senso e à ganância dos seres humanos, diversas espécies de tubarões estão entrando em processo de extinção. Alguns países, como a Austrália e os Estados Unidos, já tentam regulamentar sua proteção, mas ainda há muito o que se fazer para que eles não desapareçam.

A extinção dos tubarões causaria diversas consequências em cadeia, como o aumento das populações das focas e dos leões marinhos, suas principais presas, o que implica num maior consumo de peixes. Esse sumiço poderia até causar problemas ao seres humanos ao afetar as algas e os plânctons, organismos responsáveis pela maior parte do oxigênio da atmosfera, além de prejudicar também a produção pesqueira.

Existem diversos motivos para o desaparecimento contínuo dos tubarões. Um deles é o seu alto valor comercial. Segundo o Ministério do Meio Ambiente, a rentabilidade de um tubarão ao longo de sua vida é equivalente a R$ 480 mil e o turismo de muitos países é alavancado pela observação de tubarões. Na República das Maldivas, por exemplo, esta forma de entretenimento é responsável por cerca de 30% do Produto Interno Bruto (PIB) do país. Outro motivo para a extinção desses animais é sua utilização na culinária. Segundo o Diário de Notícias, os especialistas afirmam que 30% das espécies de tubarões podem desaparecer por causa de seu uso na alimentação e cerca de 73 milhões desses seres marinhos são abatidos anualmente para serem usados como componente fundamental das sopas consumidas, principalmente, no continente asiático. São por esses e outros motivos que algumas espécies estão em vias de extinção, como é o caso do grande tubarão branco.


“Ah, a extinção de um animal não me afeta”. Afeta sim. Quando uma espécie desaparece, toda a cadeia alimentar é modificada. Vamos supor que uma determinada espécie de gavião é extinta. A população de cobras, as principais presas do gavião, vai aumentar, consequentemente diminuindo a população dos sapos, alimento das cobras. Isso pode provocar aumento no número de gafanhotos. Neste ano, foram avistadas diversas nuvens de insetos na Argentina e sul do Brasil. Um desequilíbrio no meio ambiente pode ter sido uma das causas, somado ao aumento das temperaturas. A nuvem em questão foi responsável pela destruição de diversas lavouras, danificando a economia local já prejudicada pela pandemia de coronavírus.